Vim

vim é um editor de texto que roda direto no terminal e, nestas últimas semanas, tenho aprendido um pouco de como utilizá-lo. Para me ajudar a fixar o que estou aprendendo – e também porque há bem pouco conteúdo de qualidade sobre o tema em português, resolvi escrever este post. E tem mais, estou escrevendo diretamente no vim utilizando markdown e já, de cara, está sendo uma experiência um tanto interessante, muito embora eu seja menos produtivo (ainda) no vim se comparado a outros editores ricos e poderosos. Contudo, há bons motivos para aprender a trabalhar com ele.

Este artigo não visa abordar todas as funcionalidades e comandos do vim, mas, sim, aqueles que eu já conheço e podem ser considerados comandos “básicos”.

Aqui serão linkados os próximos artigos, como um índice, para facilitar a consulta:

Como tirar o maior proveito desta série

A minha sugestão é que você abra o editor, insira um pouco de conteúdo e vá testando cada comando e funcionalidade descritos aqui. Assim, não só terá uma experiência mais fluida, como certamente uma fixação melhor.

Principais vantagens DO VIM

Eu considero serem duas as principais vantagens de utilização do vim no dia a dia:

  1. O vim é um editor que roda no terminal, portanto é extremamente puro e consequentemente leve, o que é ótimo para quem está começando e talvez não tenha uma boa máquina para trabalhar. Isso ajuda a evitar grande uso de memória e processamento do seu computador.
  2. O vim já vem pré-instalado nos principais sistemas operacionais do mercado e, geralmente, já é o editor padrão do seu sistema (onde você edita os arquivos de configuração por padrão).

Mas vamos ao que interessa…

Utilização

Principais comandos

Vamos aos principais comandos. São aqueles que eu já sabia antes mesmo de começar estes estudos e que, se você já deve saber como: abrir, criar, salvar e descartar. Desta forma, podemos pular para a próxima sessão.

Criar um arquivo:

No seu terminal, navegue até o diretório de sua preferência e digite:

$ vim meudia.txt

Você pode dar o nome que preferir ao seu arquivo. meudia é somente um exemplo.

Entrar no modo INSERÇÃO

Para entrar no modo INSERÇÃO, que lhe permitirá inserir, apagar e editar o conteúdo do arquivo conforme você já está acostumado, pressione a tecla Ino seu teclado.

Digite algum texto qualquer apenas para ver como funciona. Crie alguns parágrafos, pontuações e perceba que tudo ocorre da forma que se espera e, após terminar de digitar, pressione a tecla Esc (Escape) para voltar ao modo normal.

Isto abre brecha para falarmos de um conceito central do vim. O vim funciona através de comandos gerados pelas teclas do teclado e, assim como o comando I que entra no modo de INSERÇÃO, há diversos outros comandos. No modo normal não é possível inserir texto livre. Isso pode parecer ruim agora, mas, após ficar fera no uso do vim, você perceberá que, ao editar arquivos, vai utilizar muito mais comandos do que inserção de texto livre.

Salvar o arquivo

Para encerrar o arquivo, precisamos digitar :, que inicia o modo “linha” e utilizar o comando q, que encerra o arquivo. No entanto, se você fizer isso agora, vai perceber que o vim retornará uma mensagem de que há mudanças não salvas no seu arquivo e que, para sair, você precisa salvá-las ou descartá-las.

Para descartar as mudanças, incluímos o sinal de ! ao fim do comando q, ficando desta forma, :q!. Você vai notar que, no editor, exclamação (!) é uma espécie de negação. Para ajudar a fixar, encare como uma “negação das alterações”. Este comando lhe permitirá encerrar o editor sem salvar as suas edições.

Mas… e para salvar, hein? Não vai falar? É claro que vou, e é simples. :w é o comando para salvar suas alterações e, consequentemente,:wq encerra o editor salvando o seu trabalho. Encare como “Write and Quit“, ou seja, escreva (salve) e encerre a aplicação.

Ah, ainda não disse que para finalizar o comando é preciso pressionar a tecla Enter (ou Return se estiver utilizando um computador Apple).

Próximo capítulo

Como você já deve ter notado, este post vai ficar um tanto grande. Por isso, preferi dividir em capítulos para não ficar muito cansativo e de fácil pesquisa.

No próximo capítulo, falaremos sobre os comandos de navegação ou movimento.

That’s all, folks! For now…