O cafezinho na copa da empresa, por mais raro que seja entre programadores e programadoras, que em geral aparentam possuir uma natureza um pouco mais introspectiva e dedicam muitas horas ao trabalho, é uma das principais formas de socializar no horário comercial. Afinal, se vencida a timidez, esse é um dos momentos mais propícios para conhecer pessoas, o que está diretamente relacionado a um networking pouco ou muito aquecido. Isso tudo pode ser ainda mais difícil para quem tem um trabalho em home office, a não ser que se construa remotamente uma rotina voltada ao investimento em relações sólidas de cooperação.

Lidar com o sentimento de solidão também é um dos principais desafios de se trabalhar em casa, principalmente para quem anteriormente se deslocava até um escritório onde havia o costume de se fazer reuniões com frequência ou o brainstorming presencial era constante. Nos segmentos marcados pelo aspecto da colaboração e do trabalho em equipe, como acontece com as pessoas desenvolvedoras na Tecnologia da Informação (TI), torna-se ainda mais importante construir uma rede de contatos assertiva a fim de manter bem-estar, colaboração, engajamento e produtividade, além de aumentar as chances de alavancar a carreira. A relevância de manter uma rede de contatos ativa é ainda maior àqueles profissionais que já fazem parte de times especializados para atuarem sob demanda.

Antes de listarmos algumas dicas valiosas sobre como manter o networking aquecido, trabalhando em home office, vamos entender melhor o conceito e a finalidade desse termo.

O que é networking para profissionais de TI?

Networking é a junção das palavras em inglês “net” e “work”, que se traduzem respectivamente em “rede” e “trabalho”. Fazer networking significa, portanto, construir, manter e aquecer uma rede de contatos profissional para cooperação mútua. Apesar de parecer algo simples, a prática extrapola uma conta no LinkedIn com número elevado de conexões, publicações curtidas ou compartilhadas e mensagens de textos trocadas no ambiente privado.

Para profissionais de TI, no entanto, a prática é diferenciada. Já que normalmente são consideradas pessoas não muito sociáveis e, consequentemente, são pouco dispostas a tomar cafezinhos para agradar alguém e até são críticas ao “alpinismo de carreira” possível neste contexto, o networking na tecnologia está muito mais relacionado à colaboração de maneira prática.

Pessoas bem relacionadas na área são aquelas que colocam a mão na massa para ajudar em projetos de software.

Um bom networking em TI é aquele em que a pessoa consegue selecionar alguns profissionais do seu círculo, preocupar-se com eles, oferecer algo, investir tempo para, somente no futuro, receber algo em troca. Assim, o conceito está mais ligado à capacidade de investir no relacionamento com as pessoas que estão à sua volta (pertencentes ao seu time, empresa, clientes e até competidores), mesmo que de forma online, para quem tem um trabalho em home office. Lembre-se: tudo passa pelas pessoas, com quem se deve manter conversas significativas para cooperação mútua.

Para que serve uma boa rede de contatos?

Durante o expediente, um bom networking pode auxiliar desenvolvedores e desenvolvedoras a sanar dúvidas que possam surgir no trabalho em home office. Afinal, para quem atua em casa, não há a possibilidade de “cutucar” um colega de trabalho (nem de interrompê-lo ou ser interrompido no meio do raciocínio da escrita de um código super complexo, não é mesmo?) para perguntar alguma coisa. O inverso também é verdadeiro: há a possibilidade de ensinar algo valioso a alguém, o que não deixa de ser uma construção de autoridade em determinado assunto.

Já nos intervalos e em dias de descanso, uma rede de contatos poderosa é capaz de atrair vagas, projetos e empresas interessantes aos profissionais. Desde, é claro, que o networking também inclua pessoas influentes (mas não somente, porque na prática qualquer pessoa pode te ajudar ou ser ajudada por você, basta haver abertura para diálogo). Tratam-se de mentores ou especialistas que podem acelerar o crescimento de sua carreira por terem vasto conhecimento de mercado.

Como construir e manter o networking aquecido em um escritório digital

trabalho em home office

Por não haver contato físico ou existir menos encontros comuns entre as pessoas, no trabalho remoto pode haver uma maior dificuldade na construção e manutenção de uma rede de contatos. Apesar de a internet ter possibilitado os escritórios virtuais, a tendência é de isolamento e, portanto, inspira cuidados, já que ameaça o bem-estar, a produtividade e o crescimento profissional. Essas questões podem ser contornadas com as 10 recomendações abaixo. Veja:

1. Use ferramentas específicas de comunicação para o trabalho em home office.

O networking de quem trabalha em home office começa por uma boa comunicação interna entre integrantes de um time, que forma a rede primária de contatos. O ideal é concentrar a troca de informações e conhecimentos em poucos aplicativos. Uma boa ideia é utilizar o Slack ou Rocket Chat como o principal canal de comunicação escrita além do e-mail e usar o Zoom (que usamos o tempo todo aqui na Impulso) ou o Skype para chamadas em vídeo, mas tudo vai depender do que a empresa prefere ou das sugestões que estiver disposta a levar em consideração.

Profissionais remotos devem ser ainda mais assertivos do que os presenciais quando o assunto é comunicação. A proposta é que esses aplicativos proporcionem o melhor ambiente de trabalho, melhorem as tomadas de decisão e ainda tragam conforto para o compartilhamento de ideias. Também pense criar algum canal específico para a troca de informações variadas que extrapolam os projetos trabalhados: filmes, viagens, livros, comidas etc não só com colegas de trabalho, mas com outras pessoas da mesma área com quem tenha interesses em comum.

2. Marque ou participe de reuniões sempre que necessário

Se as mensagens de texto não estiverem sendo suficientes (e, acredite, em vários momentos elas não serão), aposte em videoconferências pontuais para discutir assuntos importantes ou que tenham gerado dúvidas. Pense em criar uma rotina de reunião semanal, por exemplo, com integrantes do seu time para alinhar o trabalho dos próximos dias e rever o dos anteriores.

Também não se esqueça de participar de reuniões com outras pessoas, com quem você ainda não trabalha, mas tem vontade de conversar sobre o mercado, por exemplo, nem que seja pela internet. Não dispense, no entanto, o cafezinho ou happy hour presenciais com quem more ou por ventura esteja na mesma cidade que você.

3. Vá a eventos, workshops e congressos da área

O trabalho em home office elimina o tempo gasto em deslocamento até o escritório. Profissionais que desempenham suas atividades dessa maneira podem investir esse período na participação em eventos de tecnologia. É provável que, enquanto você lê este artigo, esteja acontecendo algum interessante.

Para não perder nenhum deles, acesse com regularidade o Meetup, que é um site para organização de eventos recorrentes — todos presenciais em cidades do Brasil inteiro. Ali, grupos com interesses em comum se reúnem periodicamente para discutir linguagens,  frameworks e melhores práticas, por exemplo. Aqui na Impulso Network, acontecem meetups online todos os dias, dos mais variados assuntos. Você pode acompanhar a nossa agenda por aqui.

Outra recomendação para aquecer o networking mesmo com um trabalho em home office consiste na participação em congressos específicos, como o The Developers Conferece (TDC), que acontece em mais de uma capital brasileira, o AWS Summit, a Campus Party e o Fórum Internacional de Software Livre, um dos maiores do mundo e que acontece em Porto Alegre (RS).

4. Invista tempo em projetos open source

Também é recomendada a participação em projetos open source para criação e manutenção de uma rede de contatos que funcione como uma aliada dos profissionais de TI. Isso porque são muitos software developers que se envolvem nesse tipo de atividade e que formam, portanto, uma rede forte de colaboração.

Ao longo do trabalho, um desenvolvedor ou desenvolvedora revisa o código do outro ou outra. Também discutem, juntos, a direção do projeto, apesar de sempre haver um líder. Nesse espaço, você pode conhecer pessoas interessantes, que lembrarão de você, se fizer um bom trabalho.

Mas o ideal é que você entre em projetos open source sem segundas intenções, ou seja, com um interesse genuíno com o projeto ou com a causa. A interação que vier a seguir e que pode proporcionar benefícios profissionais, como a ascensão na carreira, deve ser consequência da sua dedicação com o coletivo.

5. Ofereça ajuda em fóruns de discussão e sites de perguntas e respostas

Manter-se ativo ou ativa em espaços de discussão é imprescindível para quem tem um trabalho em home office e deseja melhorar o networking. Na nossa área, destacam-se o Stack Overflow e o GitHub, como você deve conhecer.

No primeiro deles, é possível engajar-se em discussões técnicas por meio de uma pergunta ou resposta, construir uma reputação e ainda ficar conhecido no meio. Já no segundo, você pode colaborar com o desenvolvimento open source e também participar de debates sobre tecnologia (em alguns casos até filosóficas, como qual é o melhor caminho a seguir em determinada situação) de forma mais ampla em torno de PRs ou issues.

Essa, aliás, pode ser a estratégia utilizada por quem possui trabalho em home office no lugar de chamar algum colega para tirar uma dúvida. Por ter milhões de usuários ativos, a chance de obter uma resposta ágil nesses canais é considerável.

Na Impulso Network, sempre há pessoas ativas e dispostas a ajudar em discussões técnicas.

6. Utilize plataformas específicas para networking remoto

É possível fazer networking nos mais variados espaços, sejam físicos ou digitais, como você já deve ter percebido. Contudo, a prática é mais efetiva quando feita em canais específicos, que levam em consideração as especificidade do mercado onde os profissionais estão inseridos. É o caso da rede da Impulso, chamada Impulso Network, que une perfis das mais variadas áreas de tecnologia, conectando-os à comunidades e projetos de desenvolvimento de software de todo o Brasil.

Por meio desta comunidade, as pessoas desenvolvedoras, designers e gestoras podem aplicar suas habilidades em projetos de software alinhados aos seus propósitos individuais guiados por especialistas em TI. Daí o potencial de assertividade maior do networking praticado nestes canais do Slack moderados por quem entende do assunto.

A colaboração também acontece de forma intensa no dia a dia por meio de mais de 70 canais de discussão — inclusive técnicos sobre linguagens como Java, PHP, Ruby, de infraestrutura nos espaços DevOps, sobre métodos ágeis como Scrum, Kanban e demais boas práticas de programação — com a participação de pessoas espalhadas por mais de 350 cidades. Há, ainda, a possibilidade de participar de hackathons, ganhar prêmios e ainda acessar benefícios, como com descontos para a participação em eventos específicos da área. Inscreva-se gratuitamente aqui.

7. Participe de redes sociais

Além do LinkedIn (onde você deve possuir um perfil que descreva a sua atuação com as palavras-chave corretas, exponha o seu portfólio e ainda reúna recomendações com quem você já trabalhou), a participação em redes sociais genéricas também é interessante para que profissionais de tecnologia conheçam pessoas com interesses em comum. Por mais que possa haver ruído, estar nesses locais também facilita o compartilhamento de informações valiosas, como a ocorrência de meetups e eventos na sua cidade. Ainda escoa o conteúdo de quem tem experiência na área.

Em TI, dentre todas as redes sociais, o Twitter é bastante utilizado por pessoas que atuam em projetos de software. Existem muitas opções de perfis excelentes para seguir que estejam alinhados com a sua área de atuação. Você pode nos acompanhar por aqui: @ImpulsoNetwork.

8. Frequente um coworking periodicamente

Uma boa alternativa para afastar o sentimento de trabalhar sozinho é mudar, periodicamente, o cenário do trabalho em home office. Você já pensou, por exemplo, em frequentar um coworking pelo menos uma vez por semana ou a cada quinze dias?

Nesses lugares, é possível conhecer pessoas e ainda frequentar eventos de confraternização e troca de contatos organizados pelo próprio escritório compartilhado. O Beer or coffee é uma plataforma que reúne mais de 400 escritórios compartilhados por todo o Brasil e, de forma bem simples, você pode escolher o coworking que mais tem mais o seu estilo. Impulsers têm 15% de desconto, além de duas diárias gratuitas por ali.

trabalho em home office

Outra possibilidade, dessa vez mais em conta, é trabalhar a partir de um café ou restaurante que ofereçam uma boa conexão à internet. Por mais que haja menos chance de conhecer pessoas com interesses similares aos seus, você pode convidar algum amigo que também trabalhe de casa e que esteja a fim de, eventualmente, mudar os ares.

9. Faça cursos de especialização

Outra chance de fazer networking qualificado é a partir das conexões geradas em um curso, seja de curta (como um workshop) ou longa duração (a exemplo de uma pós-graduação ou mestrado). A Alura e a Product Arena oferecem excelentes descontos em cursos online por meio da Impulso Network.  

Na sala de aula, mesmo que remota, é possível conhecer pessoas e suas trajetórias. Consequentemente, podem ser lembradas em oportunidades futuras para a troca de conhecimento, contatos ou oportunidades.

Portanto, usufrua de forma ativa desses encontros. Faça perguntas, colabore com dúvidas e interaja no intervalo para o almoço, se participar presencialmente. Depois, no trabalho em home office, reforce e alimente esse contato a partir das redes sociais.

10. Crie conteúdo e dê palestras

Caso você seja um profissional de pleno para sênior, é provável que tenha um conhecimento valioso que pode ser compartilhado para a rede de contatos. Já pensou, então, em criar conteúdos em blogs ou ministrar palestras? Não tenha receio em mostrar o que sabe.

E, mesmo que você ainda esteja iniciando na área, compartilhar conhecimento é uma ótima forma de fixar o que aprendeu, ajudar outras pessoas que também estão começando e começar a formar sua rede de contatos. A ideia é gerar valor para a rede, mesmo em um trabalho em home office. Esse é um dos formatos de networking que mais dá resultado. Também contribui para a construção de status em cima da sua imagem.

Qual é a sua recomendação para aquecer o networking com um trabalho em home office? Se ficou com alguma dúvida, escreva nos comentários.