Não são todas as profissões que possibilitam o trabalho à distância, mas na Tecnologia da Informação (TI) o home office e até o nomadismo digital já são realidades. Não tão consolidadas, é verdade, porque ainda existem empresas que temem a produtividade das equipes distribuídas. Mas, neste artigo, nós vamos mostrar que é possível construir uma carreira como desenvolvedor(a) remoto sem depender do aval de nenhuma chefia.

Aqui na Impulso Network, acreditamos nos benefícios da atuação remota, que refletem, principalmente, na qualidade de vida. Tanto que grande parte das oportunidades que anunciamos diariamente para a comunidade é para desenvolvedor(a) remoto.

No futuro do trabalho que projetamos e construímos diariamente, as pessoas realizam-se ao poder trabalhar com o que acreditam e no formato que mais lhes agrada.

Leia também: Projeto de software: o que levar em consideração antes de escolher um para trabalhar

A possibilidade de ser desenvolvedor(a) remoto faz brilhar os olhos de muitas pessoas. Muitas delas sonham com o dia em que poderão jogar-se no mundo ou simplesmente decidir de onde programar: de casa, de um café ou de um coworking. No entanto, deixar para trás o trânsito diário até o escritório requer planejamento.

Como ser um(a) desenvolvedor(a) remoto

Você pode ser desenvolvedor(a) remoto de duas formas. A primeira delas é negociando com a empresa a possibilidade de trabalhar fora do escritório.

A segunda, por sua vez, garante ainda mais liberdade: sendo empresário(a) de si mesmo(a) e escolhendo os trabalhos que deseja fazer parte. Utilizando como um dos filtros, é claro, a atuação remota. Veja as nossas recomendações para alcançar esse estilo de trabalho:

1. Defina onde quer chegar

Antes de mais nada, é preciso saber se você realmente deseja largar o modo contractor para empreender em cima da própria carreira. Essa é uma decisão que assusta muitas pessoas, que se sentem reféns da suposta estabilidade da carteira assinada.

Se é o seu caso, recomendamos fazer parte da Impulso Network para conhecer a história de quem passou por esse tipo de transição (spoiler: não se arrependeram). Caso ainda não se sinta pronto ou pronta, outra possibilidade é procurar por vagas de trabalho em empresas remote friendly, que já garantem esse benefício de cara, sem o desgaste da negociação.

2. Teste o formato antes

É bem provável que você esteja de saco cheio de bater ponto todos os dias na firma. E, por isso, esteja tão em busca de uma oportunidade como desenvolvedor(a) remoto. Mas será que o home office é para você? Afinal, o que funciona para outra pessoa não necessariamente pode dar certo para você, o que pode gerar uma grande frustração.

Por isso, nós recomendamos fortemente que você teste o escritório virtual antes de tomar qualquer decisão. Se está na CLT, converse com o seu time para trabalhar de casa uma ou duas vezes na semana. Na sequência, perceba como se sente e tome uma decisão mais embasada.

Também use esse período para preparar o espaço onde você pretende trabalhar remotamente. Se for na sua casa, monte uma estrutura confortável e que proporcione foco. Não se esqueça de verificar a qualidade da conexão à internet e à VPN, que é exigida por boa parte das empresas que mantém funcionários à distância.

Leia também: Tudo o que você precisa saber para trabalhar online para empresas de TI

3. Estipule metas

Você também pode pensar em ser desenvolvedor(a) remoto gradativamente. Nos primeiros seis meses, vai testar trabalhar de casa pelo menos uma vez na semana. Já no semestre seguinte, não irá mais até a sede da empresa. Depois, poderá sentir-se mais preparado(a) para dar o salto de fé e ser um ou uma profissional mais independente e 100% remoto.

Outra meta que pode ser estipulada (e que ajuda a alcançar o objetivo) consiste em atuar em um número mínimo de projetos open source em determinado período de tempo. Buscar certificações por meio de cursos e webinars, por exemplo, também podem ajudar. De qualquer forma, é preciso ser consistente para construir autoridade no que você faz de melhor e chamar a atenção de quem anuncia as oportunidades.

desenvolvedor remoto

4. Construa uma reserva financeira

Qualquer período de transição profissional envolve riscos. Portanto, esteja preparado(a) financeiramente por meio da construção de uma reserva financeira. Além de reduzir os gastos que normalmente possui, poupe o dinheiro suficiente para manter-se estável de três a seis meses.

5. Drible as tecnologias da moda

À medida que você começar a trabalhar remotamente nos mais variados projetos de software, poderá ficar mais suscetível à influência do surgimento de novas tecnologias e linguagens de programação. Elas sempre prometem tomar o lugar de todas as outras, mas isso raramente acontece.

Seja, portanto, resiliente em continuar se aperfeiçoando naquilo que você já é especialista. Esteja por dentro das novidades, mas não a ponto de ficar perdido(a) no caminho que deve seguir. No lugar, aposte nas soft skills, que estão ligadas às competências humanas e sociais, que são cada vez mais demandadas pelas empresas.

Leia também: O que buscam as empresas que contratam para trabalhar online em TI?

6. Invista no seu inglês

Como desenvolvedor(a) remoto, você pode trabalhar para empresas do mundo todo. Aproveite, portanto, essa possibilidade para voltar a estudar inglês, caso ainda se sinta inseguro(a) com a linguagem predominante no mundo (e na programação). Assim, o seu leque de possibilidades de atuação será ainda maior.

Na nossa comunidade, quem é Impulser PRO tem uma série de benefícios. Um deles é um desconto de 60% no Cambly, onde você pode treinar a conversação online para perder o medo de conversar no idioma.

7. Separe um tempo para cuidar de você como uma empresa

No dia a dia, você  perceberá a necessidade de dedicar um tempo para tarefas que antes não fazia. Cuidar do portfólio, prospectar clientes e emitir notas fiscais são exemplos das atividades que passam a estar no seu radar, como desenvolvedor(a) remoto e independente. Pode parecer um pouco burocrático, mas é o ônus de se viver e trabalhar com liberdade.

Quer saber mais sobre planejamento de carreira? Então assista ao meetup que produzimos sobre o assunto com Wharley Ornellas e Renato Tarantelli.

Qual é o seu formato de atuação hoje em dia? Passou por esse período de mudança de carreira? Compartilhe conosco a sua vivência ou dúvida pelo espaço dos comentários.